5 coisas para fazer em Odaiba

Desde que comecei a dar consultoria para pessoas e empresas que desejam organizar viagens para o Japão, percebi que um dos meus lugares favoritos por lá não é tão conhecido por aqui e muitas vezes acaba ficando de fora do planejamento de todo mundo! Então, cada vez mais venho convencendo pessoas a passarem pelo menos um dia de suas vidas em Odaiba hihihi. Mas ao mesmo tempo, todos os dias percebo que é um pouco difícil descrever essa maravilha em palavras… Então resolvi fazer esse post aqui no blog 😀

IMG_4924

Odaiba é uma ilha artificial que fica pertinho de Tóquio, quem se hospeda na região de Shinjuku, por exemplo, não leva mais de uma hora para chegar à esse lindo paraíso do entretenimento! Por lá tem de tudo… E ao mesmo tempo nada muito complexo, justamente por esse motivo é um pouco difícil de convencer as pessoas de que vale o passeio, rs. Enquanto muitos lugares do Japão merecem a recomendação por terem algo extremamente único e histórico, Odaiba é um lugar moderno, com muitos shoppings, restaurantes e referências da cultura pop japonesa moderna. Sabe a versão em tamanho real do robô Gundam? Fica lá… E mesmo se você não curta robôs, precisa conhecer esse lugar! Tem algo de mágico em Odaiba, todas as vezes que vou pra lá a passeio, sinto como se eu pudesse fazer qualquer coisa e que absolutamente tudo seria divertido. Já fui pra fazer compras e já fui só para olhar, mesmo assim, em todas as vezes esse lugar ficou na memória como um dia especial 😀  Então hoje reparei uma listinha com 5 top coisas que você não pode deixar de fazer quando for pra lá… E se você estiver planejando uma viagem ao Japão, esse destino não pode faltar no seu roteiro, hein?? 😉IMG_4931Passeio de Yurikamome: andar de Yurikamome é uma maneira rápida e barata de chegar em Odaiba, então depois de alguns dias de viagem e muitos trens super modernos, acabamos nos acostumando com a coisa toda e não nos damos conta de que esse é um dos trajetos de transporte público mais legais do mundo! Então a minha dica é entrar na fila e só embarcar quando der pra sentar no primeiro vagão, assim o que seria só um jeito de chegar de um lugar à outro, vira um passeio maravilhoso 😀  A vista da ponte que liga Odaiba às outras coisas é muito bonita e diferente do que vimos por lá no dia a dia, então vale a pena esperar um lugarzinho especial para ir tirando fotos, gravando vídeos ou simplesmente apreciando o caminho, que é lindo. 

IMG_4876

Conhecer a Fuji TV: logo na saída da estação de Yurikamome, nós damos de cara com o famoso prédio que aparece na abertura de Digimon! Tá certo que é uma obra com arquitetura super única e diferenciada, mas não adianta, se você tem pelo menos a minha idade, a sua referência vai acabar sendo essa também, rs. Muita gente deixa de visitar esse prédio porque, além dele ser imenso e imponente, não fica muito claro como funciona a visitação, principalmente para quem não fala japonês. Mas a dica é ir subindo as escadas rolantes e desbravando cada cantinho desse lugar! Por lá tem observatório, às vezes show do Cirque du Soleil, restaurante do One Piece (clique aqui), muitas lojinhas de desenhos famosos e ainda um tour guiado pela emissora de TV! No inicio achava que essa última parte não seria muito interessante para quem não mora no Japão, mas no fim das contas me surpreendi e descobri que na verdade, conhecia muitos programas. Com sorte, ainda dá pra assistir programas ao vivo e encontrar celebridades dos programas de entretenimento. Da última vez que fomos tinham muitos itens de Terrace House a venda, era muito legal!

IMG_4932Compras no Palette Town: no começo amava esse shopping porque ele me lembrava a cidade do Ash em Pokémon, mas depois de alguns passeios, percebi que além de engraçado, ele é também a opção que mais vale a pena para ver lojinhas por lá! Sinceramente, Odaiba tem muitos shoppings, um trilão de lojas e alguns outlets também, mas é aí que estão os meus melhores achadinhos, sempre! Isso porque no Palette tem algumas lojinhas diferentes, que só vejo por lá, como uma imensa Village Vanguard, uma Seria, que é tipo uma Daiso, só que com coisas mais legais e bonitinhas e ainda uma loja oficial do Studio Ghibli, chamada Donguri Republic. Todas ficam no piso amarelo – 1F Venus Family. Nesse mesmo shopping fica o Chirori Café, o primeiro café com cachorro terapeuta!

IMG_5029Conhecer o Gundam: pra mim, essa é a parte mais importante de passear em Odaiba, ainda que eu não seja a louca dos robôs, tampouco fã de Gundam Wing, acreditam? Mesmo sem tantas afinidades, acho esse passeio o máximo e todo mundo precisa fazer um dia! Então a dica é ir passear no shopping DiverCity para ir na loja e no café oficial do desenho e de quebra, passear um pouquinho pelas lojas todas do complexo… De vez em quando tem exposições bem legais por lá. Vale a pena ir de dia para tirar fotos, mas a noite (19h30, 20h30, 21h30) eles fazem projeções do desenho e o robô também acende luzes, é super especial! Amo tanto esse passeio que tem um post só para ele aqui do blog, que fiz na primeira vez que fomos ao Japão – clique aqui para ler.

gundamAndar de roda gigante: sinceramente essa é uma indicação um pouco complicada pra mim, porque eu morro de medo de altura (dá pra ver aqui kkkk), então acabo não curtindo tanto o momento como a maioria das pessoas, rs. Mas se você pretende ir em uma roda gigante, ou em algum lugar muito alto com uma vista incrível no Japão, vale a pena fazer isso em Odaiba! A vista lá é incrível e no fim da tarde, as luzes da ponte são acesas, o que deixa a experiência ainda mais especial… É encantador, não é a toa que tantas pessoas são pedidas em namoro e casamento lá #fofinho. Caso você queira levar o momento roda gigante às últimas consequências, a maior do Japão acaba de ser inaugurada em Osaka! Mas reflita, porque sinceramente não acho que isso faça valer a pena uma ida ao Expo City e pessoas com tatuagens não podem brincar no ginásio Pokémon (só dá pra ir na lojinha), então continuo preferindo essa linda, colorida e imensa roda gigante de Odaiba 😀 

IMG_5007 Demais ou demais? Só de descrever já fico com vontade de passear por lá de novo, até porque, ainda que eu já tenha ido à Odaiba umas 4 vezes, tenho a impressão de que sempre tem algo novo a fazer por lá… Quem sabe um dia não consigo descobrir a ilha inteira 😛  E vocês, alguém tem uma super dica de passeio que precisa ser feito por lá? Alguém conhece alguma atração super secreta na ilha? Me contem nos comentários! 😀  Caso alguém esteja com viagem marcada e alguma dificuldade para elaborar o roteiro, não esqueça de mandar um e-mail pra mim 😉  Estou amando trabalhar na viagem dos sonhos de alguns de vocês hihihi. Mil beijos e até mais tarde <3

Facebook – Instagram – Youtube 

♥ Snapchat mais legal do Snapchat: helodelarosa 

Siga o meu blog no Bloglovin

Gundam Front Tokyo

Desde que voltei do Japão, eu, Raoni Marqs, sinto saudade de qualquer coisa que eu me lembre de lá. É verdade que a maioria delas é sobre comida (oh, delicioso sushi!) e muitas são só sobre a sensação de estar lá (era tão tranquilo…). Mas a mais recorrente não tem a ver com nada disso.

Aquele país é um lugar muito mais mágico, impressionante e agradável do que eu imaginava: as pessoas são educadas e prestativas, os lugares são lindos, limpos e organizados, os brinquedos são incríveis e baratos e as comidas são todas deliciosas.

Mas o melhor lugar no Japão não pode ser comido nem comprado; você não pode conversar com ele, andar nele, entrar nele e ele não faz muita coisa; ao contrário de centenas de pontos turísticos que estão lá há centenas de anos, esse foi erguido em 2009…

A coisa mais legal lá foi ver a estátua de 18 metros do Gundam RX-78-2: o modelo original da primeira série Gundam que estreou em 1979.

Pra ter uma ideia de quanto tempo isso faz, 79 foi quando o Sid Vicious do Sex Pistols morreu, a Margaret Thatcher foi eleita pela primeira vez, o Adam Levine do Maroon 5 estava nascendo e o McDonald’s inventou o McLanche Feliz: 1979 faz muito tempo.

Tudo o que aconteceu naquele ano já mudou loucamente: o Sid Vicious virou um mártir antigo; a Margareth Thatcher já virou heroína, vilã e heroína de novo; o Adam Levine já é uma das pessoas mais famosas no planeta e a gente tem certeza de que o McLanche Feliz sempre existiu.

Mesmo assim, o Gundam RX-78 continua uma obra-prima – não importa quanto tempo passe e quantos novos robôs fiquem famosos, esse ainda é discutivelmente o robô mais legal de todos os tempos.

Se você não sabe a história da gloriosa franquia Gundam, o segredo do sucesso dela não foi só o design magnífico do herói (e do vilão, o Zaku II), mas foi a ideia de que os robôs gigantes nesse universo eram máquinas construídas em série como armas pra fins bélicos, como Tanques ou Jatos.

(ele não era tão legal em 79…)

Todo robô gigante anterior ao Gundam era uma criatura mágica, companheira fiel de alguma criança boa. Mas aqui, robôs eram armas enormes que podiam não funcionar direito, precisavam de consertos – eles eram veículos e não personagens.

Justamente por isso, a estátua em escala real do Gundam RX-78 em Odaiba, a Conney Island de Tóquio, é tão legal: cumprindo esse propósito de ser uma máquina, o Gundam não só é exatamente como no anime, como ele é coberto de avisos e instruções em cada pedacinho do corpo dele.

Assim como portas de aviões, o interior de vagões do metrô ou até tampas de panelas elétricas, o Gundam é forrado de alertas como “Aviso: Porta Móvel”, “Apenas pessoal autorizado” ou “Trava Manual” – o modelo todo está forrado desses.

Mas não é preciso olhar tão de perto pra gostar dessa atração: de dentro do Diver City, o shopping onde fica o RX-78, já dá pra ver os pezinhos desse monumento à nerdice.

Quando você sai pelas portas do shopping, você dá de cara com as costas dele e já é uma das sensações mais surreais da sua vida (se você tiver um coração).

O Gundam tem uns 18 metros e fica na área externa de um shopping. O Cristo Redentor tem 31 metros, fica no topo do corcovado e foi eleito uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo Moderno.

Não me leve à mal: o Cristo Redentor é incrível. Mas o Gundam é mil vezes mais legal. Não é uma questão de religião ou respeito ou qualquer critério que possa passar pela sua cabeça: um robô gigante em tamanho real simplesmente desperta muito mais emoções em mim do que todas as coisas que eu já vi na vida.

Como se não bastasse, o Gundam ainda acende luzes, mexe a cabeça e solta fumaça dos exaustores no peito dele o dia todo. Mas, durante a noite, todo um show de luzes acontece enquanto um anime exclusivo de 11 minutos é exibido num telão de 32 metros por 11 metros e meio atrás do Gundam – incluindo os pilotos que aparecem dentro do cockpit!

Esse show rola toda noite, às 19:30, 20:30 e 21:30, e todo mundo se senta aos pés do robô gigante antes de começar. É uma verdadeira comunhão: várias pessoas sorridentes esperando pra assistir um vídeo com um show de luzes feitos só pra acompanhar uma réplica de um robô de 18 metros que já é incrível por si só.

Em Odaiba está o prédio da Fuji TV, mais conhecido como o cenário da batalha contra o Myotismon em Digimon Adventure 02; a Daikanransha, uma das maiores rodas-gigantes do mundo; o Baratie, do restaurante temático do One Piece; o Joypolis, um parque de diversões indoor da Sega; e mais um punhado de coisas…

Nenhuma delas foi mais legal do que só olhar para o Gundam.

Pra quem é do rolê, logo ao lado do RX-78 tem um container onde eles vendem muitos kits de robôs da série pra você montar – com vários modelos que eu só vi por lá e em uma ou outra loja especializada com um acervo enorme.

Do outro lado está o Gundam Cafe, onde eles vendem capas para celular, pratos, hashis, cadernos e todo tipo de coisas em formatos ou tema de Gundam (até crepes no formato do RX-78 eles tinham). É só entrar e comprar tudo o que der vontade.

Além disso tudo, pra quem ainda estiver ávido por mais e mais robôs, no sétimo andar do Diver City (o shopping onde está o Gundam) está o Gundam Front, um mini parque de diversões/museu sobre toda a série Gundam (onde eu e a Helô nem conseguimos ir porque não deu tempo). Lá eles tem mais produtos, mais robôs e tudo o que você pode querer nessa vida que tenha Gundam no nome. A entrada custa 1.000 ienes e você pode comprar na hora.

Se você está indo para o Japão e vai passar por Tóquio, faça um favor a si mesmo e faça uma pequena viagem de trem até Odaiba para visitar esse monumento ao maior robô gigante na história dos robôs gigantes. Se você tem o menor espacinho para robôs no seu coração, vai valer cada segundo.

Acompanhe nas redes sociais:

Facebook – Instagram – Youtube – Viber

Baratie: o restaurante do One Piece!

Quem acompanha o canal do blog no youtube sabe que o nosso primeiro dia em Tóquio foi super agitado e especial, afinal passeamos em Odaiba, um lugar que eu queria muito conhecer e que definitivamente se tornou um dos meus lugares favoritos no Japão, tipo tem que ir sem falta!  Odaiba (お台場) é um distrito comercial e de entretenimento popular em uma ilha artificial na baía de Tóquio. Originou-se como um conjunto ilhas artificiais, que foram construídas no final do Período Edo (1603-1868) para proteger Tóquio contra possíveis ataques do mar e, especificamente, em resposta à diplomacia do Commodore Perry.Daiba literalmente significa “forte”. Mais de um século depois, em torno dos anos 80, as pequenas ilhas foram unidas em ilhas maiores por aterros enormes, e Tóquio iniciou um projeto de desenvolvimento espetacular que visava transformar as ilhas em um bairro residencial e empresarial futurista. Mas o desenvolvimento foi desacelerado após o estouro da “bolha econômica” no início dos anos 1990, deixando grande parte de Odaiba ainda vaga e sem moradores.

Um momento épico para quem já assistiu Digimon!

Na prática, pra quem vai passear por lá como a gente, é uma grande ilha de compras e diversão. É o lugar perfeito para um turista viver um dia de compras e diversão, além do trajeto até Odaiba já ser incrível, lá tem outlets, shoppings, o Gundam gigante, a roda gigante, prédios gigantes, shoppings gigantes… É tudo gigante! Tem o museu de cera da Madame Tussauds, o parque da Lego, o parque da Sega, museus, alguns prédios icônicos que a gente nunca na vida imagina que vai acontecer e vários tour interessantes, como  pelo showroom da Toyota e pela sede da Fuji TV… Que foi onde conhecemos Baratie, o famoso restaurante inspirado em One Piece.

O Raoni ama One Piece, eu acho que é um dos desenhos que ele mais ama, ele compra tudo o que vê deles pela frente, assina o mangá, tem muitos brinquedinhos dos personagens (eu sei que chama action figure, rs) e tudo mais, só que mesmo assim ir ao Baratie não estava nos nossos planos, até porque a gente não sabia onde ele ficava, sabia apenas que ele existia… Mas no meio da tarde, logo após o almoço, demos de cara com o restaurante, no observatório da Fuji TV, que na verdade é um lugar maravilhoso para fazer um restaurante. Como a gente tinha acabado de comer e não podíamos passar tanto tempo por lá por causa da apresentação noturna do Gundam que aconteceria umas 2h depois em outro ponto da ilha, resolvemos entrar e beber alguma coisa, pra conhecer o lugar, tirar muitas fotos e curtir o momento. Foi a melhor ideia que tivemos, porque tudo é realmente muito legal por lá! Tiramos ótimas fotos:

É engraçado que é um restaurante inspirado em um desenho animado, mas é um restaurante meio chique ao mesmo tempo. O atendimento não é casual (apesar de ser excelente e gentil) e o ambiente também não é informal, é tudo grandioso e lindo, muito diferente do que eu imaginava e bem mais pomposo do que o restaurante temático do Museu Ghibli, por exemplo. Os preços são mais altos do que os restaurantes comuns do Japão, mas além do lugar ser incrível, a comida também é mais requintada. Eles fazem menus de acordo com cada temporada do desenho e tem algumas televisões explicando a inspiração para cada prato, o que é ótimo porque até quem não sabe tudo da série consegue entrar no clima e curtir a refeição como uma experiência única. As bebidas custam todas cerca de R$ 13, os pratos cerca de R$ 35, mas tem alguns aperitivos a partir de R$ 10 também. Não dá pra ver tudo e principalmente, pra entender o que está escrito, porque muita coisa é em japonês, mas fotografei o cardápio para os fãs pirarem e já planejarem o que vão comer na próxima viagem, que definitivamente precisa ser ao Japão:

Tem bastante coisa fofa, né? Eu adoro como no Japão as comidas chegam na mesa exatamente como no cardápio, tudo bem decorado, montado com capricho e atenção. Ainda quero ir jantar nesse restaurante numa próxima viagem, porque achei que várias coisas parecem gostosas olhando pelas fotos. As nossas bebidas além de lindas, eram uma delicia:

A minha era de pêssego com flor de alguma coisa (e realmente vinha uma flor yay! eu amo comidas com flores) e a do Raoni era uma soda diferente, com frutas vermelhas. Achei elas muito lindas, fiz um book dos copos pra nunca esquecer de como eram fofas e gostosas. Eu experimentei a do Raoni e realmente era uma delicia, nem sei qual era melhor na verdade. Achei que íamos beber alguma coisa só pra conhecer o lugar e não deixar a oportunidade passar, mas no fim das contas as bebidas eram tão incríveis, que viraram uma experiência também.

Tudo incrível, né? E essa foi só uma pequena parte do nosso dia em Odaiba, realmente todo mundo precisa ir pra lá um dia! Para saber mais sobre a ilha, suas atrações e como chegar, é só clicar aqui. Para saber mais sobre o prédio da Fuji TV, onde fica o Baratie e outras lojinhas legais, clique aqui. Esse é um passeio que eu nunca vou esquecer. Infelizmente é meio caro ir para Odaiba, a passagem do monotrilho custa uns R$ 20 e nem é uma distância tão longa assim, mas… Valeu cada centavo! Muitas das coisas mais legais que vimos em Tóquio ficava na ilha artificial. Aliás, gravei um vlog mostrando tudo o que fizemos nesse dia, que foi o nosso primeiro na vidade:

Demais, né? Mal posso esperar para voltar e fazer tudo de novo! Espero que tenham gostado das dicas e das fotos, tem muito mais vindo por aí. Mil beijos e até amanhã <3

Me acompanhe nas redes sociais:

Facebook – Instagram – Youtube