Planejando a viagem: nossos hotéis no Japão e na Coréia do Sul!

Acho que já contei pra vocês como sou viciada por planejamento, como sou maníaca por ter controle de todas as situações e gosto de planejar com bastante antecedência como tudo vai acontecer, né? Em alguns casos acaba sendo um pouco irritante pra mim (eu não consigo dormir sem ter uma lista do que vou fazer nos próximos 3 dias, por exemplo), mas em outros, como em viagens, é uma benção. Em viagens para o Japão então, que para dar entrada no visto já precisa ter passagens, todas as reservas feitas e passeios agendados, é praticamente um dom!

Ainda quero fazer um post falando sobre como fizemos para planejar todas essas informações que acabei de citar, mas já adianto que a escolha dos hotéis foi sem dúvida a parte mais difícil, afinal queríamos economizar, mas em hipótese alguma prejudicar o nosso conforto e tranquilidade durante a viagem. 30 dias em países que não falamos a língua já podem ser complicados demais para ainda chegar no fim do dia e não ter um lugar agradável para descansar. Por esses e vários outros motivos, hostel nunca foi uma opção, aliás, pra mim nunca é uma opção, porque eu não consigo dividir banheiro e sempre tenho muita bagagem pra espalhar por aí. Se você não se importar com esses fatores e quiser aventura total, tem muitos hosteis baratinhos e legais no Japão e na Coréia, aliás principalmente na Coréia… No Japão eu não passei por tantos na minha pesquisa, então não sei. Mas se você é como eu, também não se desespere, porque dá pra achar hotéis legais e bem localizados (sem luxo, né?) por valores bem acessíveis, afinal de contas eu achei. Claro que pra achar eu fiquei 4 dias inteiros lendo o booking, o tripadvisor e o google maps. Eu lí tanto o google maps que quando eu cheguei no Japão e na Coréia eu já sabia de cabeça onde as coisas ficavam hahahaha, juro! Foi assustador, mas toda essa pesquisa teve ótimos resultados. Conseguimos hotéis nos melhores lugares da cidade, todos com internet boa no quarto, banheira e limpeza diária, por preços muito legais. Vou listar todos os lugares onde nos hospedamos pra vocês com fotos e detalhes, mas antes, algumas dicas para você encontrar o hotel perfeito para a sua viagem japonesa ou coreana:

  • O Booking é o melhor lugar para reservar hotéis. Além de sempre ter promoção rolando por lá, é mais fácil utilizar o site e ainda dá pra cancelar as reservas sem pagar multa.
  • Mas ao mesmo tempo, não dá pra usar o Booking sozinho, afinal muitos dos hotéis não têm resenhas por lá. Para saber mais sobre um hotel, pesquise no TripAdvisor, melhor site da internet para quem quer viajar.
  • Na primeira viagem eu não tive coragem, mas na próxima ida ao Japão já quero tentar o Airbnb, afinal já conheço bem Tóquio e já sei onde quero ficar ou não quero. Os preços valem bem a pena, principalmente para viagens mais longas como a minha.
  • Fique de olho na antecedência, reservamos os nossos hotéis entre 2 e 3 meses antes e foi um ótimo negócio. Conseguimos uma promoção incrível por causa do timing.
  • Nas fotos do booking vai parecer que os donos dos hotéis estão mentindo, porque todos os banheiros parecem idênticos. Mas relaxa, por incrível que pareça, todos os banheiros são idênticos mesmo.
  • Ainda vou falar sobre como andar por lá, se vale a pena ou não o Japan Rail Pass, mas independente disso tudo, pegue um hotel próximo a estações da JR, tem muito metrô no Japão, mas só essas estações são realmente úteis no dia a dia. Ficamos em Shinjuku e eu não troco por nada, mas Shibuya e Harajuku podem ser opções legais também.
  • O Check-in no Japão geralmente varia entre as 15h ou 16h (a maioria dos hotéis não tem early check-in, prepare-se para enrolar). Já o check-out em todos os hotéis que ficamos era as 10h. Cedo, né?
  • No Japão não tem internet livre pra usar nos lugares (nem na Starbucks!) e alugar um wi-fi móvel custa cerca de R$ 22/dia. No nosso caso valeu mais a pena reservar hotéis que tinham internet no quarto do que alugar esse aparelho, então reflita sobre as suas necessidades. A gente olhava os mapas antes de sair do hotel, planejávamos tudo o que gostaríamos de visitar no dia e quando tínhamos dúvidas ou nos sentíamos perdidos, pedíamos informação na rua. Achei mais legal assim!
  • Divirta-se no seu quarto e aprenda a usar todas as coisas malucas que tiver por lá: veja todos os canais da TV (porque eles são o máximo, principalmente no Japão), faça chás ou noodles com a chaleira elétrica, passe roupa na passadeira em formato de prancha de bodyboard, vá na Lush comprar sais e tome mil banhos longos de banheira (porque lá tem bastante água, por enquanto), use os shampoos e condionadores Shiseido do banheiro (mas leve os seus, porque meu cabelo detestou). Parece besteira, mas é muito legal não ter medo que as coisas vão quebrar e aproveitar todas as coisas diferentes.
  • Não se preocupe tanto, um atendimento primoroso no Brasil equivale a um serviço basicão no Japão, lá eles são muito mais atenciosos do que aqui e farão tudo o que você solicitar que estiver ao alcance deles, com um grande sorriso no rosto, até nos hotéis mais baratos. Já na Coréia… Eles são mais frios mesmo, ou às vezes até rudes, mas no hotel que ficamos isso não fez diferença na prestação de serviço. Quando eu pedia mais água, pra mudar o horário da limpeza ou ainda pra agendarem algum passeio para nós, tudo dava certo, mesmo sem tantos sorrisos, rs. 

Agora que vocês já sabem mais ou menos o que precisa ser observado e o que precisa ser avaliado de acordo com as suas necessidades, vou listar abaixo os hotéis que ficamos durante a viagem. Mas vale ressaltar que não tivemos problema em nenhum deles: limpeza, conforto, atendimento, localização… Tudo foi ótimo e não nos arrependemos em nenhum momento.

For Leaves Inn Uehonmachi
543-0021 Osaka, Osaka, Tennoji-ku Higashi-kozu-cho 6-19 , Japão
Diária que pagamos pelo booking: R$ 102

Esse foi o primeiro hotel que ficamos no Japão, passamos 5 noites nele e de todos foi o menos legal, mas ainda assim legal. Foi meio complicado encontrar hotéis em Osaka, por ser uma cidade procurada por muitos turistas e ao mesmo tempo, interior. Mas pelo preço que pagamos valeu muito a pena. Não me apaixonei completamente porque ele não fica na região que eu mais gostei de passear em Osaka, que era Namba, então toda vez que queríamos ir pra lá comer ou fazer compras, precísavamos pegar metrô ou caminhar por 20 ou 25 minutos… Mas que em um lugar tão legal e tranquilo, também não foi nenhum sacrifício.

O quarto era grande para os padrões de hotel BBB (bom, bonito e barato) no Japão, tinha bastante pressão na água da banheira, internet no quarto grátis e TV a cabo (sem canais em inglês). A recepção do hotel nos deixou guardar nossas malas lá no primeiro dia, que chegamos muito antes do check-in e o atendimento foi ótimo, apesar de mais frio, já que os atendentes falavam pouco inglês. A limpeza era muito bem feita e discreta, nunca vi as faxineiras pelo corredor, mas precisamos pagar a parte pela toalha de banho, 500 ienes (uns 10 reais…) cada uma, isso eu achei meio chato. Mas ficaria de novo lá, com certeza (e não levaria toalhas de banho da mesma forma, porque ocupa espaço demais, vale a pena pagar).

Hotel Listel Shinjuku 
160-0022 Tokyo To, Shinjuku-ku, Shinjuku 5-3-20 , Japão
Diária que pagamos pelo booking: R$ 173

Esse hotel foi um grande golpe de sorte na nossa viagem. Pesquisei bastante os hotéis em Shinjuku e logo no primeiro dia já cai nesse, mas a diária dele normalmente custa R$ 330, o que definitivamente era acima do que queríamos pagar. Só que no terceiro dia de pesquisas, ele estava com uma tag do booking chamada “oferta esperta”, que é um nome meio maluco, mas que surge quando restam poucos quartos disponíveis para a data e o hotel quer fechar as reservas logo. Com um desconto tão alto, fechamos na hora e não nos arrependemos. Esse hotel é perfeito, fica a 10min de caminhada da estação Shunjuku da JR e na região da cidade que mais gostamos, cheia de lojas, shopping, restaurantes, pessoas felizes e gente na rua até tarde, muito legal mesmo. Sem falar que a maioria dos trens e metrôs que precisávamos pegar para os passeios passam por essa estação, então ainda nos ajudou a economizar com passagens.

Esse quarto não era muito grande, mas tinha esse sofá que acomodou as nossas malas por toda a estadia que era legal, além do mais a televisão estava melhor posicionada que no de Osaka e tinham mais produtos no banheiro. Eles tinham wi-fis individuais para cada andar, então a conexão era muito boa e rápida, assim como aqui em casa, conseguia subir videos de até 30 minutos em menos de 5min no youtube, não tive problemas quanto a isso. Nesse as arrumadeiras passavam pontualmente meio-dia, então tivemos que pedir pra elas pularem dias de arrumação, porque às vezes ainda estávamos no hotel essa hora. O quarto era completo, tinha uma prancha gigante que esquentava e servia pra passar roupa, chaleira, frigobar, banheira, vaso sanitário com mil botões e funções, além de um ar-condicionado que não funcionava direito, mas que foi totalmente trocado assim que reclamamos. Todo mundo falava inglês bem e era um hotel bem movimentado. Sem dúvidas, o melhor hotel da viagem!

Saerim Hotel
192-17 Gwanghun-Dong, Jongno-Gu, Jongno-Gu, 110-300 Seul, Coreia do Sul
Diária que pagamos pelo booking: R$ 140

Na hora de escolher um hotel em Seul, fiquei um tempão procurando, afinal não tem tantas resenhas assim sobre a Coréia na internet, principalmente em inglês. Deu trabalho, mas curiosamente no fim das contas acabei escolhendo o primeiro hotel que tinha visto na minha pesquisa. Muita gente falava que não conseguia encontrar esse hotel na rua, que ficava rodando por muito tempo com o taxi até encontrar, então fiquei preocupada, porque chegaríamos às 22h no bairro e acabamos chegando somente meia-noite, porque eu perdi meu passaporte no aeroporto e demorei até conseguir encontrar (pois é!). Eu ainda preciso fazer um post sobre as nossas impressões sobre a Coréia para detalhar os motivos pelos quais não gostei de lá, mas mesmo com a rua escura, sem uma alma andando por lá e ada de internet no celular, conseguimos encontrar o hotel. Eu não entendi porque as pessoas que deixaram resenhas na internet sobre o local tiveram tanta dificuldade, sinceramente.

O mais difícil na hora de achar um bom hotel barato na Coréia, é encontrar opções com banheira ou box no banheiro. A maioria dos que eu via tinham um banheiro bem pequeno, com baso sanitário, lavatório e um chuveirinho, sem nenhuma divisão, ou seja, ia ser uma experiência um pouco chata. No fim das contas escolhi o Saerim por causa do banheiro e pela ótima localização, perto de tudo, de várias estações de metrô, do centro de compras e ainda de muitos pontos turísticos, tanto que andamos muito a pé pela cidade sem problema algum. O atendimento lá era meio estranho, assim como em toda a cidade, mas não tivemos problemas. Passávamos muito tempo no hotel durante o dia, geralmente saíamos para passeios por volta das 14h (de tanto que gostamos da cidade kkkkkk) e a única coisa que eventualmente estranhávamos era a gritaria entre as camareiras, que aparentemente gostavam de conversar estando em quartos diferentes. Mas nada que me irritasse a ponto de ir reclamar, né? Na verdade gosto de ouvir pessoas falando outras línguas, então era curioso. Esse hotel foi o único da viagem que deixava dentro do frigobar água e suco a vontade para os hóspedes, achei fofo.

Best Hotel
169-0073 Tokyo To, Shinjuku-ku Hyakunincho 1-2-3, Japão
Diária que pagamos pelo booking: R$ 157

Como o nosso voo de retorno para o Brasil saia de Tóquio, quando voltamos da Coréia do Sul ainda tínhamos um dia de estadia na cidade. Com o preço do hotel que ficamos inicialmente fora da promoção era alto, essa não era uma opção. Então reservamos um hotel mais barato para passar esse último dia de compras desenfreadas (não gastamos tanto na Coréia, por vários motivos que em breve explico, então tínhamos bastante dinheiro sobrando no último dia da viagem). Achei que seria furada, mas no fim das contas me surpreendeu muito positivamente. Ele fica exatamente do outro lado de Shinjuku, mas com 5min de caminhada estávamos na estação de metrô central do bairro e em 10min estávamos nas ruas principais. No fim das contas achei ele tão bem localizado quanto o Listel Shinjuku, mas o quarto era um pouquinho menos lindo, mas lindo suficiente para eu cogitar me hospedar por lá todos os dias da próxima vez que visitarmos a cidade.

Suspeito que esse tenha sido o dia mais cansativo da minha vida inteira, por isso a escassez de fotos. Mas dá pra ver que exoticamente o lavatório fica no quarto, a banheira em um cômodo e o vaso sanitário em outro, né? E o vaso sanitário não tinha botões também… Já estou morrendo de saudade dos vasos sanitários com botões. Tinha ar condicionado, frigobar, tv, tudo o que tinha direito, igual os outros, ainda não entendo como ele pode custar tão barato. Sem falar que o atendimento era ótimo, eu fiz a maior zona na recepção no último dia e não ganhei sequer um olhar torno da recepcionista. Eles ainda deixam você guardar a mala na recepção por quanto tempo precisar. Eu guardei das 10h às 18h do último dia, por causa do check-out tão cedo deles, mas vi uma menina que curiosamente, deixou por 4 dias! Ah, a única critica que eu faria é que tem degraus demais, mesmo com elevador, tem muito degrau nos andares e na entrada, talvez pra um cadeirante ou pra alguém que não pode carregar a mala no braço nem um pouquinho, seja dificil. O hotel é super fácil de achar, tem um letreiro luminoso com o nome do hotel no topo do prédio! O letreiro está meio quebrado, então me senti naquele filme O Albergue, mas depois deu tudo certo hahahaha.

Gostaram? Como eu disse, nada luxuoso, afinal não somos ricos e queríamos muito realizar esse sonho logo, como imagino que seja o caso de vários de vocês. Também ficaram surpresos com os preços? No começo achei que por serem opções baratas, passaríamos alguns perrengues, ou ficaríamos longe dos lugares legais, mas muito pelo contrário. Em Osaka ainda precisávamos andar um pouco para chegar ao centro comercial, mas em Tóquio, as duas opções são em ruas maravilhosas. Tranquilas, mas ha apenas 5mim de caminhada das avenidas principais. Espero que essas dicas tenham ajudado vocês, qualquer dúvida que vocês tiverem deixem nos comentários que eu tento ajudar. Peço desculpas pela qualidade das fotos também, até porque tem mil itens pessoais nossos nelas. Queria tirar antes de entrar com as coisas, pra ficar mais bonitinho, mas fotos assim tem no site dos hotéis, chegávamos tão cansados de arrastar as malas pela cidade que não dava pra esperar, rs. Mil beijos e até amanhã <3

Me acompanhe nas redes sociais:

Facebook – Instagram – Youtube

8 Comentários sobre Planejando a viagem: nossos hotéis no Japão e na Coréia do Sul!