Curry Beef

Esses dias meu o Raoni convidou o Antonio, um super amigo nosso, que fez faculdade de cinema junto com ele (se formaram ano passado, não é demais?) pra jantar lá em casa, então corri escolher uma super receita pra fazer e impressionar ele, sem recorrer aos meus dotes asiáticos, porque nossa, toda vez que alguém vai lá em casa come frango xadrez ou coisas transformadas em tonkatsu ou receitas com shimeji, sério: SEMPRE faço isso quando tem visita. Então resolvi ousar e fazer o papel de fã louca daquela novela O Clone (não foi muito difícil porque eu sou uma fã louca dessa novela, de verdade), inovando com um Curry Beef.

Não vou mentir pra vocês: eu não amei essa comida. Mas todo mundo amou e na outra vez o Raoni encontrou o tal amigo, todos já sabiam do Curry Beef (oque me deixou muito orgulhosa, imaginem). Sei que ficou gostoso e certinho, mas também sei que eu já trabalhei num restaurante indiano (na época que eu almejava ser uma grande chef kkkkk) e toda vez que eu sinto cheiro de curry me lembro do calor e das condições precárias de trabalho daquela fase da minha vida, então acho que associo essa receita a tensão. Mas é um prato tão bonito que resolvi ensinar pra vocês, porque é MUITO fácil de fazer!

Para alimentar 4 pessoas famintas, você vai precisar de:

  • Azeite;
  • 2 col. de sopa de alho (hahaha, faz sopa de alho e coloca na receita, só que não);
  • 500gr de contra filé em bifes finos;
  • 1 col. de sopa de gengibre ralado;
  • 2 col. de curry em pó;
  • 1 col. de sopa de páprica doce em pó;
  • 1 col. de sopa de salsinha;
  • 200ml de leite de coco (1 garrafa);
  • 1 saquinho de amendoim torrado e sem pele;
  • 200ml de água (1 copo).

Eu incluí cebolinha na minha lista de ingredientes, porque piquei em rodelinhas crocantes pra comer como salada. Adoro e acho que combina bastante com essa receita, mas não é exatamente importante, você pode comer esse curry com arroz branquinho só e já tá lindo e étnico. Não, você não pode comer com a mão.

A primeira coisa que você vai fazer é refogar o alho e o gengibre no azeite. A dica é que você pode roubar e colocar uma colherinha de óleo normal no seu azeite, assim ele não queima, já que o gengibre demora um pouco pra fritar, né. Refogou? Coloca todas as outras coisas, menos a carne. Os temperos tipo curry e páprica eu usei aqueles de saquinho que vende baratinho no mercado mesmo, tipo kitano e essas marcas. Acho que compensa mais, você vai pagar super caro comprando a granel e nem vai saber qual a marca dele, ou vai comprar um super caro de marca e não vai fazer tanta diferença assim no sabor, juro. Quer ser gourmet? Gasta seu dinheiro comprando pauzinho de baunilha e flor de sal, que daí juro que compensa!

Mexe, mexe, mexe, mexe, mexe. Vai parecer meio aguado, mas vai ficar tanto tempo nessa panela até a carne estar cozida que nossa, vai apurar bem. Mentira, nem demora tanto, uns 15 minutos.

Agora você pode colocar a carne! O ideal é ter amizade com o açougueiro, assim ele vai deixar ela bem limpinha, sem nenhuma gordura pra você. Mas… Se você não for tão intima vai ter que fazer o serviço. Contra filé não tem nervos e coisas horríveis então você só tira as aquelas gordurinhas que todo bifinho tem mesmo. Se não tiver contra filé rola fazer com patinho.

Acho que uns 15 minutos realmente deixam a carne bem cozida, isso em fogo baixo, porque se você deixar o fogo muito alto começa a dar aquela sapecada no molho e vai virar uma loucura. Esse seria o único jeito de fazer essa receita desandar. Quando você achar que tá pronto, tira um bifinho e corta no meio, assim vai ter certeza se a carne ta no ponto! Se curtir, vale colocar uma pimentinha, eu que não aguento muito a emoção. O resultado na panela (faltava encorpar só um tiquinho):

 

Vão tentar fazer? Espero que façam e principalmente, que achem gostoso. Beijo!

5 lugares para ir quando não tem internet em casa

Existem momentos em que a vida lhe prega peças. O speedy[bb]não, o speedy zomba da sua cara TODOS OS DIAS e você não pode fazer nada contra eles, precisa ficar calmamente aguardando visitas técnicas incansáveis na sua porta as 9 da manhã (e comemorar caso elas realmente aconteçam). Não importa o quanto você pague a eles todos os meses, sua internet mais cedo ou mais tarde não estará funcionando, vai ser um final de semana e as dicas abaixo serão como a descoberta da pólvora na hora de entregar aquele trabalho importante:

 

  • Starbucks:

Você compra qualquer coisa um café pequeno, um cookie ou um frapuccino[bb]moca menta com base creme e choco chips extra, pede a senha da internet e eles te dão um cartãozinho que te ensina a conectar a internet. O iphone tem dias que consegue acessar a internet desse jeito, mas tem dias que não. Notebook sempre conecta. Acho honesto e você não vai se sentir humilhado, porque vai reparar varias pessoas comprando coisas idiotas só pra usar a internet.

Algumas mesas ainda têm tomadas pra você carregar a bateria, sensacional. Acho o wi-fi mais honesto e menos arriscado, raramente está fora de serviço.

 

  • Extra e Pão de Açúcar:

Pode ser a opção mais confortável ou a pior delas, depende de qual é a filial mais próxima a você, né. No Itaim Bibi e na Jaguaré sei que é a melhor opção pra filar uma conexão wifi. Eles não colocam senha e ninguém vai no mercado pra fazer isso, então é super rápido hahahaha. Nesse caso a necessidade faz o ladrão, porque mesmo naquelas praças de alimentação, você raramente vai ver alguém com o notebook[bb], mas acho que em 2012 você não deveria se preocupar tanto assim com o que as pessoas pensam, então se você quiser internet de graça e 24 horas eu não vejo outra alternativa.

 

  • Chico Hambúrguer:

A mais rápida das conexões emprestadas, mas isso deve ser pra compensar o tempo que você demora pra conseguir uma mesa. Os garçons não são muito fãs do pessoal com os notebooks, ficam apressando, mas nem liga, você está comendo pencas.

A comida lá é ótima, vale a pena jantar enquanto manda o freela, mas se você estiver no mundo só a negócios, pede um milk-shake[bb] que isso deve te garantir cerca de uma hora de conexão sem começar a ser julgado pelos locais.

 

  • Vanilla Café:

Uma solução bairrista para a falta de Starbucks[bb], porém com um bônus: algumas filiais têm computadores para emprestar pra você. Normalmente dois ou 3 CPUs instalados em mesas tipo bar, que você pode acessar sem nenhum tipo de burocracia maior do que consumir alguma coisa. Facilita demais o processo , né? Você leva o pendrive e pronto!

 

  • Praças de alimentação:

O melhor de dois mundos, internet e comida, facilmente convertidos na instalação do inferno na terra: trabalho. Mentira gente, eu adoro trabalhar (mesmo!) e isso ficou ainda mais acessível depois da invenção do wi fi spot nos principais shoppings. Claro que a maioria deles tem aquela coisa super chata do VEX que resume a zero as suas chances de conseguir ficar conectado por mais de 30 segundos, porém se você estiver perto do Shopping Morumbi, Plaza Sul ou Center 3, você se conecta e consegue usar porque lá é apenas um wi-fi sem senha.

Feio.

Contras: nem toda a dança da manivela é capaz de acelerar essa conexão, principalmente no Center 3 é você e a Avenida Paulista[bb] inteira dividindo um wi-fi de uns… 10mb.

 

Espero que vocês não passem perrengues ou se passarem, já tenham amizade com o vizinho. Se vocês não tiverem nenhuma dessas duas coisas (também não tem sorte, né…) e precisar usar a internet por um booom tempo, sinceramente? Vai no aeroporto ou no Tietê que lá é mais sucesso. Beijo!

Pudim de Leite

Segunda-feira pra mim é um dos dias mais animados da semana. Mas pra quem não tá ainda com aquele gás a recomendação é direta: faça um docinho! Aproveita o tempo livre que toda segunda-feira e terça-feira tem, capricha numa sobremesa grande e vai comendo ela ao longo da semana, quando você ja estiver pedindo arrego.

A melhor receita de pudim que eu já comi, é a da minha mãe. Ela não é um amor? Ela mandou a receita pra vocês, olha:

  • Primeiro faça uma calda na forma do pudim desta maneira – Coloque 1 xícara de açucar e leve a forma ao fogo, vá mexendo com uma colher até o açucar derreter e virar uma calda grossa. Cuidado para não queimar, deixe a calda clarinha pois fica mais gostosa e mais bonita também. Junte a essa calda, ainda no fogo 1/2 xícara de água fervente e deixe até que o açucar esteja totalmente derretido e depois que tenha se formado uma calda linda de se ver. Retire do fogo e deixe esfriando.
  • No liquificador, bata 2 latas de leite condensado, duas medidas da lata de leite integral, 3 ovos. Bata bem e depois acrecente a mistura obtida naquela forma que vc caramelizou, com cuidado, usando as costas de uma colher para despejar a mistura, assim o caramelo não ‘fura’. Cozinhe no forno com uma assadeira maior sob a mesma, com água : o chamado banho maria, sabe? então.
  • Cozinhe por 40 minutos a uma hora, forno médio e a forma do pudim coberta com papel aluminio. Deixe esfriar na geladeira e sirva no dia seguinte. Na minha casa nós colocamos no freezer para esfriar assim podemos comer no mesmo dia…#gordanot
  • Na hora de desenformar passe o fundo da forma sobre a chama do fogão para derreter, só um pouquinho, o caramelo e desenformar com facilidade passando uma faca ao redor do pudim. Vire num prato grande de servir e voilá ! 
  • Obs. Querendo trocar a água quente da calda por suco de laranja morno fica um gostinho mais que delicioso!

 

Espero que vocês façam e me contem como ficou! Tem gente que não curte quando o pudim fica com furinhos. Meu favorito é assim e não: o pudim não deu errado quando fica assim, desencana dessa vibe negativa de falar que desandou. Mas se você prefere ele lisinho e não quer esperar a massa descansar por 4 horas dá uma roubadinha: coloca na mistura uma colher de sobremesa bem cheia de maizena. Minha mãe não é o máximo? Ela faz esse pudim e manda lá pra minha casa <3

Vamos gente, a semana começou 😀