O lámen do Jojo Ramen

20 de abril de 2017

Agora que o restaurante japonês queridinho de SP está quase completando um ano, finalmente o universo colaborou para que eu fizesse esse post pra vocês – quando inaugurou era tão cheio e hype que achei que qualquer julgamento poderia ser precipitado, agora eles até ajustaram os preços, então os serviço está mais definitivo. Além disso minha memória de lámens japoneses está bem mais fresquinha, né? 😀  Quando esse restaurante abriu, toda a montagem e treinamento foram feitos por chefs famosinhos de lámen no Japão, então inicialmente já era meio fácil de prever que seria sucesso, mas ainda assim acho que superou qualquer expectativa, porque era bem comum pegar 2h de fila pra comer lá – assim como em todos os outros lugares que eu indico aqui no blog, para tragédia de vários de vocês que gostam de chegar e sentar nos lugares, rs. 

img_20170418_204557615

Já na espera dá pra pedir alguns aperitivos/petisquinhos bem legais, acho que o mais empolgante é o karaage, já que é o mais conhecido dentre as opções do cardápio também. Ele é bem gostoso e o custo benefício é legal para um franguinho frito empanado a mão, fritinho na hora, com maionese da casa, que é bem cheia de ovo – tipo a da saladinha que é vendida nos konbinis japoneses mesmo. Mas não adianta, viu? Já comi muito karaage e até agora só amo perdidamente o do Sukiya e o do Bar Ponto, que não é um lugar oriental, mas manda muito bem. Pra beber não tem muito mistério: umas 5 opções de sakê (tem meu queridinho Neko Sakê) e cervejas, sem drinks, sem invenções.

img_20170418_211936

Na hora de pedir o lámen a magia começa, mas não tem segredo: são dois os tamanhos e quatro opções – já comi todas e o meu favorito é o Shoyu mesmo, apesar do de pimenta (kara) ser bem gostoso também. O tamanho menor é suficiente pra uma pessoa que come bem #euzinha, mas se você é daqueles que come muito muito e ainda pede refil do macarrão, pede o maior (Jojo), porque tenho quase certeza que eles não servem o refil, como é feito no Tan Tan. Aliás, o macarrão deles é delicioso, pra mim o ponto alto do restaurante com certeza absoluta! De todos os l'mens que já comi em SP, esse realmente é o que me lembra mais com os meus favoritos do Japão (pra mim o melhor é o Umaya, se escreve うま屋ラーメン, mas não tem em Tokyo), mas eu também gosto muito do Lámen Kazu.

img_20170418_220302

Para a sobremesa eles têm duas opções – choux cream da Vivianne Wakuda ou o especial da semana, que ontem era o pudim de chá verde. Como ganhei vários choux deliciosos de presente da Divertidamente essa semana, apostei no pudim e achei gostoso, mas eles estavam servindo dentro de um potinho bem pequeno com uma abertura menor ainda… E a colher era desconfortavelmente grande para ser inserida no potinho. Achei isso muito desnecessário, quiseram fazer algo fofo, mas preferia uma colher menor ou uma fatia comum – fica a dica. De qualquer forma foi um pudim caro, foquem no Choux e deixem pra comer pudim no Bueno que o de lá é 10/10.

No fim das contas o Jojo continua valendo super a pena mesmo com o reajuste no preço e o hype se tranquilizando, ele com certeza veio pra ficar! A unica ressalva é sobre o atendimento: nao dá pra ir pensando em ser rápido porque tem fila, mas não dá pra sentar pensando em demorar na mesa, porque eles pressionam muito, ontem mesmo nem estava tão cheio e a moça não curtiu que quis comer a entrada e beber um sakê antes de pedir o lámen, que chega super rápido na mesa… Mas paciência né? Acho o custo benefício legal (1/2 entrada + 1 sake + lámen pequeno + sobremesa + 10% = R$ 80) e a comida muito gostosa, é só ir com as expectativas alinhadas. Mais alguém já foi lá? Tiveram uma opinião diferente?? Me contem nos comentários. Para saber mais sobre o Jojo Ramen, clique aqui. Beijos e até mais tarde <3 

Facebook – Twitter – Youtube 

♥  Seja meu amigo no instagram: helodelarosa 

Acompanhe o meu blog no Bloglovin

1 Comentário sobre O lámen do Jojo Ramen