Beyoncé – Life Is But a Dream

26 de fevereiro de 2013

No abençoadíssimo último dia 16, que foi um sábado de sol, passeio e faxina lá em casa, a HBO passou pela primeira vez o documentário que eu mais esperava para assistir: quem não tem curiosidade de saber como é Beyoncé no dia a dia? Eu que amo a vida pessoal dos artistas, celebridades e funcionários do meu condomínio não podia perder por nada! Como ainda não lançou no Brasil e eu estava muito ansiosa, assumo com total timidez que assisti na base do pipipitchu mesmo, quem nunca cometeu uns crimes, né? Já aviso que se alguém se interessar em assistir, é um documentário muito novo e não tem previsão de sair em português com aquela legenda escândalo que a gente adora.

Eu sou fã de carteirinha e faixinha de glitter na testa da Beyoncé já fazem alguns anos… Uns 5 deles eu acho, sofri uma incrível lobotomia com os dvds mais recentes dela no meu antigo emprego e desde então sou fanzoca assumida da mulher do Jay-Z. Você já viu um dvd que ela gravou em Las Vegas? Não?! É o mais legal de todos, imperdível.

Sabe quando você tá muito animada pra assistir um filme e quando ele acaba, sente uma profunda depressão por saber que jamais recuperará as últimas duas horas gastas totalmente em vão? Infelizmente eu me decepcionei bastante. Segundo a mídia especializada:

“Life Is But a Dream, documentário dirigido e protagonizado por Beyoncé, foi assistido por 1,8 milhão de pessoas, no último sábado, 16, de acordo com o The Hollywood Reporter. A marca é a maior audiência de um documentário da HBO desde que a Nielsen mudou a maneira de determinar a quantidade de público, em 2004.

O documentário ultrapassou a minissérie de Spike Lee sobre o Furacão Katrina, When the Levees Broke: A Requiem in Four Acts, exibida em 2006, que foi vista por 1,7 milhão de pessoas. O filme da cantora também conseguiu alcançar uma marca três vezes maior do que o mais recente episódio da série Girls.

A audiência de Beyoncé foi ainda maior, já que a entrevista concedida por ela para Oprah, exibida também naquela noite, na emissora da própria apresentadora, alcançou um total de 1,3 milhão de pessoas.”

O grande problema: todo mundo fala que o mundo inteiro parou para assistir o documentário, mas não existem muitos relatos falando de quem curtiu ou não… Então vocês vão ter que ficar com o meu relato, tá? Hahahahaha aloca. Se eu pudesse resumir tudo em uma frase, seria “por que tão chata?”. Beyoncé foi uma das cantoras que mais me inspirou e motivou a fazer coisas maiores, suas músicas sempre foram uma fortaleza para mim, mas depois de assistir ao filme, restou apenas a impressão de que toda a energia e positividade da vida dela, estão em suas músicas… Nada sobrou para o cotidiano da queen B hahaha. Genericamente, arriscaria dizer que trata-se de 1h30 de tristeza, reclamações e desânimo… Ela nunca está animada e nos raros momentos em que está feliz, é aquela coisa insuportável e ensaiadinha de “estou feliz pelas coisas simples da vida”, se nem a Beyoncé está satisfeita com a vida e entusiasmada para seguir em frente, o que será de nós? Achei um pouco deprimido.

Partes legais: eu realmente gostei de quando mostra a interação dela com os dançarinos, ainda que ela não se enturme muito. Adoro ver essas coisas de making off e é divertido saber que aquelas danças malucas e coreografias esquisitas dão um trabalhão pra aprender, é estimulante ver gente incrível dando duro pra aprender coisas incríveis, se eles mostrassem mais a parte do esforço e menos a parte da tristeza, seria um documentário maravilhoso… Acho que faltou essa ação.

Ah! Na maior parte do filme, ela está sentada num sofá sendo entrevistada… O lugar é lindo, ela tá linda, mas isso me incomodou um pouco. Eu queria ver ação, queria ver as coisas acontecendo, dia a dia… Agora fico na torcida de um novo documentário sobre ela, mas dirigido pelo E! hahahah, acho que teria mais ação e emoção, já que até a entrevista que ela deu pra Oprah antes da estreia foi mais contagiante do que o filme em sí. Paciência, né? Nem tudo pode ser perfeito e agradar a todos, claro. Ao mesmo tempo que eu decepcionei, com certeza tem uma fila de gente que adorou, tudo uma questão de expectativa, que eu criei demais como sempre hahahaha.

Vale a pena assistir? Com certeza, mas não com a expectativa de um documentário sobre bastidores e dia a dia da artista, afinal essa parte dura menos de um terço do filme. Se você tem interesse em saber como é a relação dela com a família ou como a vida de um famoso pode ser melancólica, com certeza você vai adorar, porque esses aspectos de destacam muito! Infelizmente eu esperava mais ação, mais sorrisos e mensagens mais contagiantes, então não curti mesmo. É tudo superficial demais pra ser chamado de documentário. 

Como saldo positivo, me resta esquecer que a Beyoncé é #chatiada e ficar apenas com a lembrança da melhor apresentação que eu já vi alguém fazer:

http://youtu.be/MNGUjkWkDC4

Mais alguém assistiu Life Is But a Dream? Qual a parte que vocês mais gostaram? Beijos e até amanhã <3

25 Comentários sobre Beyoncé – Life Is But a Dream