5 lugares para ir quando não tem internet em casa

Existem momentos em que a vida lhe prega peças. O speedy[bb]não, o speedy zomba da sua cara TODOS OS DIAS e você não pode fazer nada contra eles, precisa ficar calmamente aguardando visitas técnicas incansáveis na sua porta as 9 da manhã (e comemorar caso elas realmente aconteçam). Não importa o quanto você pague a eles todos os meses, sua internet mais cedo ou mais tarde não estará funcionando, vai ser um final de semana e as dicas abaixo serão como a descoberta da pólvora na hora de entregar aquele trabalho importante:

 

  • Starbucks:

Você compra qualquer coisa um café pequeno, um cookie ou um frapuccino[bb]moca menta com base creme e choco chips extra, pede a senha da internet e eles te dão um cartãozinho que te ensina a conectar a internet. O iphone tem dias que consegue acessar a internet desse jeito, mas tem dias que não. Notebook sempre conecta. Acho honesto e você não vai se sentir humilhado, porque vai reparar varias pessoas comprando coisas idiotas só pra usar a internet.

Algumas mesas ainda têm tomadas pra você carregar a bateria, sensacional. Acho o wi-fi mais honesto e menos arriscado, raramente está fora de serviço.

 

  • Extra e Pão de Açúcar:

Pode ser a opção mais confortável ou a pior delas, depende de qual é a filial mais próxima a você, né. No Itaim Bibi e na Jaguaré sei que é a melhor opção pra filar uma conexão wifi. Eles não colocam senha e ninguém vai no mercado pra fazer isso, então é super rápido hahahaha. Nesse caso a necessidade faz o ladrão, porque mesmo naquelas praças de alimentação, você raramente vai ver alguém com o notebook[bb], mas acho que em 2012 você não deveria se preocupar tanto assim com o que as pessoas pensam, então se você quiser internet de graça e 24 horas eu não vejo outra alternativa.

 

  • Chico Hambúrguer:

A mais rápida das conexões emprestadas, mas isso deve ser pra compensar o tempo que você demora pra conseguir uma mesa. Os garçons não são muito fãs do pessoal com os notebooks, ficam apressando, mas nem liga, você está comendo pencas.

A comida lá é ótima, vale a pena jantar enquanto manda o freela, mas se você estiver no mundo só a negócios, pede um milk-shake[bb] que isso deve te garantir cerca de uma hora de conexão sem começar a ser julgado pelos locais.

 

  • Vanilla Café:

Uma solução bairrista para a falta de Starbucks[bb], porém com um bônus: algumas filiais têm computadores para emprestar pra você. Normalmente dois ou 3 CPUs instalados em mesas tipo bar, que você pode acessar sem nenhum tipo de burocracia maior do que consumir alguma coisa. Facilita demais o processo , né? Você leva o pendrive e pronto!

 

  • Praças de alimentação:

O melhor de dois mundos, internet e comida, facilmente convertidos na instalação do inferno na terra: trabalho. Mentira gente, eu adoro trabalhar (mesmo!) e isso ficou ainda mais acessível depois da invenção do wi fi spot nos principais shoppings. Claro que a maioria deles tem aquela coisa super chata do VEX que resume a zero as suas chances de conseguir ficar conectado por mais de 30 segundos, porém se você estiver perto do Shopping Morumbi, Plaza Sul ou Center 3, você se conecta e consegue usar porque lá é apenas um wi-fi sem senha.

Feio.

Contras: nem toda a dança da manivela é capaz de acelerar essa conexão, principalmente no Center 3 é você e a Avenida Paulista[bb] inteira dividindo um wi-fi de uns… 10mb.

 

Espero que vocês não passem perrengues ou se passarem, já tenham amizade com o vizinho. Se vocês não tiverem nenhuma dessas duas coisas (também não tem sorte, né…) e precisar usar a internet por um booom tempo, sinceramente? Vai no aeroporto ou no Tietê que lá é mais sucesso. Beijo!

Pudim de Leite

Segunda-feira pra mim é um dos dias mais animados da semana. Mas pra quem não tá ainda com aquele gás a recomendação é direta: faça um docinho! Aproveita o tempo livre que toda segunda-feira e terça-feira tem, capricha numa sobremesa grande e vai comendo ela ao longo da semana, quando você ja estiver pedindo arrego.

A melhor receita de pudim que eu já comi, é a da minha mãe. Ela não é um amor? Ela mandou a receita pra vocês, olha:

  • Primeiro faça uma calda na forma do pudim desta maneira – Coloque 1 xícara de açucar e leve a forma ao fogo, vá mexendo com uma colher até o açucar derreter e virar uma calda grossa. Cuidado para não queimar, deixe a calda clarinha pois fica mais gostosa e mais bonita também. Junte a essa calda, ainda no fogo 1/2 xícara de água fervente e deixe até que o açucar esteja totalmente derretido e depois que tenha se formado uma calda linda de se ver. Retire do fogo e deixe esfriando.
  • No liquificador, bata 2 latas de leite condensado, duas medidas da lata de leite integral, 3 ovos. Bata bem e depois acrecente a mistura obtida naquela forma que vc caramelizou, com cuidado, usando as costas de uma colher para despejar a mistura, assim o caramelo não ‘fura’. Cozinhe no forno com uma assadeira maior sob a mesma, com água : o chamado banho maria, sabe? então.
  • Cozinhe por 40 minutos a uma hora, forno médio e a forma do pudim coberta com papel aluminio. Deixe esfriar na geladeira e sirva no dia seguinte. Na minha casa nós colocamos no freezer para esfriar assim podemos comer no mesmo dia…#gordanot
  • Na hora de desenformar passe o fundo da forma sobre a chama do fogão para derreter, só um pouquinho, o caramelo e desenformar com facilidade passando uma faca ao redor do pudim. Vire num prato grande de servir e voilá ! 
  • Obs. Querendo trocar a água quente da calda por suco de laranja morno fica um gostinho mais que delicioso!

 

Espero que vocês façam e me contem como ficou! Tem gente que não curte quando o pudim fica com furinhos. Meu favorito é assim e não: o pudim não deu errado quando fica assim, desencana dessa vibe negativa de falar que desandou. Mas se você prefere ele lisinho e não quer esperar a massa descansar por 4 horas dá uma roubadinha: coloca na mistura uma colher de sobremesa bem cheia de maizena. Minha mãe não é o máximo? Ela faz esse pudim e manda lá pra minha casa <3

Vamos gente, a semana começou 😀

Dragon Fruit

Aproveitando o embalo da guacamole e sugerindo petiscos pro final de semana de vocês, vamos falar de coisa boa, vamos falar de pitaia. E vamos chamar de pitaia mesmo porque chamar de dragon fruit[bb] é muito coisa de naruteiro, né.

Semana retrasada eu estava fazendo compras no Ceagesp (aqui em São Paulo) e me deparei com essa fruta esquisita, que parece uma mistura de romã com alcachofra visualmente, mas o gosto lembra um pouco pêra + morango (ou não, posso estar viajando).

Eu já tinha fumado o narguile com a essência de pitaia, mas nunca me arriscado em comer, afinal por mais que eu adore experimentar comidas novas, não gosto muito de frutas.

Comi e achei gostoso, tem duas versões: a vermelha, mais ácida e a branca que é bem adocicada, refrescante e deliciosa. Recomendo que vocês experimentem e mais do que isso: recomendo que façam CAIPIRINHA COM ELA!

Eu não tirei foto e provavelmente estraguei o clima, porque fiz em um copo preto (FUÉN), mas é o melhor drink que já tomei na minha vida, deu vontade de servir no meu casamento, no meu enterro e de levar um squeeze cheio dele pro trabalho:

  • 1 pitaia branca grandinha;
  • 400ml de cachaça (melhor se for a deliciosa Azuladinha[bb]);
  • 3 colheres de sopa de açúcar;
  • Gelos.

Bate tudo, menos o gelo que é melhor colocar por ultimo no copo, inteirinho. E não bate muito, deixe a pitaia sobreviver em forma de pequenos pedacinhos.

Comprei a pitaia custando 7 por R$ 10,00 no Ceagesp, já vi pra vender no Mercado Municipal e no Pão de Açucar[bb] também, mas daí não sei o preço (:

…E depois de postar descobri que o meu irmão @judelawrosa tinha foto da caipirinha que a gente fez, no celular dele! Tá aqui ó: