O guia definitivo do arroz-feijão!

Chegou amigos! Esse definitivamente é o post mais maluco da história do blog, tá imbatível no quesito “tema maluco”, mas eu preciso fazer pela sobrevivência de animais como os meus irmãos hahahaha. Tá bom, vocês não são animais, são apenas preguiçosos, amo vocês Pedro Gabriel, Gustavo e João Victor <3 <3 <3

Como a minha mãe fica internada a semana inteira e meu padrasto tem mais o que fazer, num mundo ideal, meus irmãos saberiam fazer alguns pratos básicos da culinária brasileira e não viveriam só de pizzas, mas eles sempre ficam dando desculpinhas, falando que não sabem cozinhar coisas básicas e acaba com a mãe do meu padrasto mandando todas as refeições pra eles esquentarem, falta só leite com pêra e ovomaltine mesmo, porque pão de batata ela também manda.

Às vezes eu argumento falando que na internet dá pra aprender a fazer tudo, mas depois de ter essa discussão umas 80 vezes com eles, fechamos com todas as partes concordando que na internet não ensinam a fazer o prato mais aclamado da culinária brasileira: arroz, feijão, couve e linguicinha acebolada, então meninos, seus problemas acabaram! Separei tudo aquilo que os portais de receitas não contam, todas as dicas que fazem um jantar de segunda-feira-classe-média ficar pronto meia hora, se liguem:

1- Em 2013 eu acho um pouco inadmissível alguém não ter uma panela de arroz em casa, porque ela facilita muito o trabalho e faz sozinha uma das partes mais chatas e deliciosas da refeição. Se ainda assim você não quiser gastar setenta dilminhas pra exterminar a chance do arroz queimar e seu jantar ficar uó, não sai do lado do fogão e desiste de refogar no alho (pessoas preguiçosas geralmente queimam o alho, o que deixa o arroz marrom igual comida de cachorro). Compra um sachêzinho que chama “meu arroz”, porque fica soltinho, branquinho e delicioso.

2- Se você acompanha o jornalismo mundial, sabe que o atentado de Boston foi feito com a ajuda de uma panela de pressão, em outras palavras, você não vai querer usar um troço desses quando chegar em casa cansado do trabalho. Além de demorar pra caramba pra cozinhar  um saco de feijão, você precisa ficar separando as malditas pedras que vêm no saco com o seu jantar, o que é um pouco… Paleolítico, digamos assim. Se você quer chegar em casa e comer um feijão delicioso em poucos instantes, compre ele já cozido! Vende de latinha, vende de caixinha, vende até feijoada pronta e cada lata custa R$ 4. Muitas pessoas têm preconceito com essa prática, mas todas elas quando vão na minha casa elogiam muito o jantar e jamais imaginam que na verdade, estão comendo uma lata de Feijoada Bordon.

Coisas que vocês nunca verão na minha cozinha por causa de um feijão, né.

3- Não é porque na lata diz “Basta aquecer e servir”que você precisa fazer isso, na verdade você não deve fazer isso, porque comidas precisam de temperos para ficarem gostosonas. Até a feijuca pronta precisa de um tabletinho de bacon e se você tiver esbanjando investimentos para esse jantar, pode acrescentar até mesmo bacon frito de verdade, uau! Na pior das hipóteses, compre sempre miojo de bacon ou de carne para fazer seus macarrõezinhos coloridos ou yakissoba, assim você guarda o sachê do tempero e coloca nos seus feijhonnys… Mas mesmo assim experimenta esse treco antes de servir porque às vezes fica sem sal.

BÔNUS: feijão é uma receita que fica deliciosa quando rola um alho fritinho pra refogar na panela e se você queimar um pouco… Vai ficar mais marrom ainda, mas aqui pode, relaxa.

4- Como fazer esse post sem falar dela, a amiga deliciosa couve? Impossível, pra mim ela é a grande estrela do arroz feijão! Mas se você tiver um osso na barriga relaxa, porque a maioria dos mercados já vende picadinha e surpreendentemente, alguns lugares vendem couve picada AND congelada, porque essa é uma verdura que estraga muito rápido e se tem uma coisa que não é nem um pouco classe-média-sofre, é o desperdício, tem que aproveitar bem os alimentos.

5- Couve refogada é uma das coisas mais fáceis de serem confundidas com chorume caso preparadas com má vontade, portanto: refogue um dente de alho em um fio de óleo, ou melhor, compre alho picadinho previamente e refogue uma colher de sobremesa dele na panelinha, quando for começar a dourar, coloque a couve, coloque sal com parcimônia por favor, porque eu não quero morrer de pedras nos rins, mas tá quase. Completa com um pouquinho de água (umas 6 colheres de sopa, mede aí e filma pq vai ser o máximo você pegando água com colher, Pedro) e fecha a panela pra ela cozinhar um pouco, mas CALMA, não vai embora porque senão esse treco vai pegar fogo, aliás, abaixa um pouco o fogo. Quando você olhar e já tiver com uma cara comestível, tira a tampa da panela e mexe um pouco até a água dar uma evaporada, fim.

6- Linguiça acebolada é um negócio que impressiona muito as visitas e felizmente é fácil de fazer, a dica aqui é não viajar muito na maionese. Corta essa de coentro, gergelim negro ou mostarda na linguicinha amiga do feijãozinho, porque esses temperos malucos não combinam com nada que não seja cerveja e hoje é segunda-feira. Se você for tipo os meus irmãos, ou até mesmo os meus irmãos (oie!), prefira comprar aquela linguiça fininha, meio defumada ou sei lá qual foi o processo que aquele alimento passou pra ficar daquele jeito, porque essa não tem como errar e deixar crua. Eu jamais comeria uma linguiça aurora preparada por um irmão meu, ia lembrar muito aquele acidente dos Andes, se é que vocês me entendem.

7- Dependendo da sua pressa/boa vontade/fome, o jantar já está pronto, mas se você tem um pouco de amor pelo momento do jantar, como eu, pode dar uma incrementada com coisas fáceis de fazer ou melhor: coisas prontas! Nessa categoria entra um ovinho frito, uma pimentinha biquinho em conserva (musa inspiradora dos meus dias de arroz-feijão), um pepino raladinho, uma farofinha Yoki de pacote… O céu é o limite e essa janta, amigos… Deliciosa! Não é a toa que fizeram uma novela que falava de feijão na musiquinha.

E você, qual dica daria pra um total iniciante no arroz feijão? Deixe nos comentários! Beijos e até amanhã <3

11 Comentários sobre O guia definitivo do arroz-feijão!