Tudo o que você precisa saber antes de ir à Hillsong Conference em Sydney – Austrália ⛪

Quatro meses se passaram desde que eu voltei da Austrália e várias pessoas ainda me mandam e-mails e mensagens perguntando sobre como planejei minha ida à Hillsong Conference, conferência global da igreja que eu faço parte aqui em São Paulo, então como realmente essa não é uma viagem que todo mundo faz, achei que seria legal escrever um pouco sobre como foi a minha experiência aqui – ainda que eu tenha a sensação de que fiz essa viagem há anos,rs. O tempo voa quando a gente está se divertindo… Ou trabalhando muito 😀

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Sinceramente fazer essa viagem foi provavelmente o ponto alto do meu ano, talvez dividindo o posto com a viagem que fiz para a Ucrânia em janeiro. Nunca tive o sonho de ir à Austrália, porque sempre tive a impressão de que os passeios mais famosos por lá são todos ligados à atividades ao ar livre… E eu estava certa! Mas desde que comecei a ser voluntária na igreja em São Paulo, comecei a ficar mais e mais curiosa e empolgada sobre ir na conferência, então esse destino começou a ser um super sonho pra mim e eu tive a sorte de realizar em junho desse ano. Como a Hillsong Conference em Sydney dura 4 dias, uma viagem com 10 dias de estadia acaba sendo suficiente para conhecer um pouquinho da cidade e aproveitar bem o evento, mas eu estendi a minha viagem significativamente e ao todo fiquei 45 dias por lá, para conhecer melhor o operacional da igreja em sua sede e voluntariar em algumas tarefinhas organizacionais da conferência antes dela começar – sem dúvidas foi uma oportunidade muito especial, daquelas que eu vou lembrar para o resto da minha vida. 

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Acho que uma das perguntas que eu mais recebi foi sobre organizar a viagem e isso também foi um pouco diferente pra mim, porque eu estou acostumada a tirar vistos que precisam de uma passagem comprada, mas para essa viagem a ordem lógica é diferente: primeiro você compra o ticket da conferência, daí ele te ajuda a conseguir o visto, depois você compra passagem, hotel e faz as outras reservas que costuma fazer pra viajar. O governo não recomenda que você compre a passagem aérea antes, o que eu sinceramente achei uma linda sutileza que deveria ser copiada por todos os países! Outra coisa meio legal é que o processo do visto é todo online, não acho isso totalmente legal porque me gera muita ansiedade ficar esperando um email, mas é realmente prático – basta preencher atenciosamente um grande formulário, escolher a opção correta de visto (é um pouco tricky essa parte, tem que ler com atenção), pagar a taxa, anexar todos os comprovantes possíveis que você tiver (incluindo o seu ticket da conferência) e esperar. Eu tirei o visto comum de turismo, que também possibilita trabalho voluntário e minha resposta demorou uns 25 dias para chegar. Existe um visto que sai mais rápido e que super serve para a conferência, que é um visto de trabalho um pouco diferente, mais focado em conferências e curiosamente uma conferência religiosa se aplica – mas eu tive ele negado porque não estava prestando atenção quando fiz a solicitação e ele não é permitido para quem vai fazer qualquer tipo de trabalho voluntário. Se você vai somente assistir a Hillsong Conference normalmente, ele vai servir pra você! Fica a experiência, agora sei direitinho para que serve cada modalidade e qual cada caso deve solicitar hahaha. Clique aqui para acessar o portal australiano para imigração e cidadania.

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Como é super válido anexar o ticket da conferência no pedido do visto, é ideal que você faça a compra pelo site da Hillsong alguns dias antes do que imagina preencher a sua solicitação no portal do governo australiano, porque às vezes acontece do sistema utilizado pela Hillsong Conference enviar os tickets com um certo delay – nem sempre você compra e recebe na hora no e-mail. É super fácil de se cadastrar, para acessar o site clique aqui. A única coisa que você precisa levar em consideração é que o pagamento será cobrado em dólares australianos, então além de ter limite o suficiente no cartão de crédito, ele precisa estar habilitado para compras internacionais – parece bobagem avisar isso, mas muitas pessoas esquecem desse detalhe e não conseguem comprar os tickets. Se você faz parte da igreja e deseja o seu assento junto com outros brasileiros que fazem parte da Hillsong, a dica é comprar o seu ticket através de um link disponibilizado pela igreja, no ponto de informações da mesma, mas isso não é algo obrigatório, é só pra quem quer sentar junto e conectar com outros brasileiros mesmo.

Um ponto importante para quem não fala inglês é que existe a possibilidade de tradução simultânea na Hillsong Conference – todas as sessões que acontecem na arena principal têm essa opção – basta sinalizar que você precisa disso no ato da sua inscrição e pagar a taxa pelo aluguel do equipamento. A Hillsong não tem nenhum tipo de lucro com a tradução simultânea, a taxa realmente só cobre o aluguel do aparelho que você vai usar e todas as traduções são feitas por voluntários – eu mesma já ajudei a fazer essas traduções na Colour Conference, em Cape Town. Eu acho que se você está na dúvida sobre conseguir entender tudo sem a tradução ou não, super deveria alugar o equipamento e optar pela tradução! Muitos dos pregadores convidados tem diferentes sotaques, a própria Bíblia tem palavras que muitas vezes não usamos recorrentemente em inglês, a programação é super intensa e em alguns momentos você vai estar cansado… São vários os detalhes que podem fazer você acabar sem entender algumas coisas se não estiver totalmente seguro com o seu inglês, então como essa é uma viagem muito especial, acho que é melhor garantir que você vai aproveitar tudo ao máximo. Na melhor das hipóteses você vai apenas não usar o seu aparelho de tradução o tempo todo, acho que é melhor gastar uns dólares a mais a toa do que arriscar não entender as mensagens, não aproveitar o conteúdo da conferência. A única coisa que não tem tradução simultânea são as masterclasses que acontecem em salas menores, geralmente só fazem das principais, que acontecem no palco principal da arena mesmo.

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Se você já tem o visto e já tem o ticket, chegou a hora chata de qualquer viagem – comprar uma passagem aerea, yay! Só que sem a parte da alegria, porque passagens para a Austrália são, provavelmente, as mais caras que você vai comprar na sua vida 🤦🏻‍♀️ Infelizmente o céu é o limite pra essas passagens, então vale a pena você pesquisar bastante. Eu tenho uma meta pessoal que é nunca pagar mais que 4mil reais em passagens de ida e volta e foi bem dificil conseguir encontrar passagem para as datas que eu queria nesse budget, mas com paciência e muitas abas anônimas abertas, deu pra fazer. Uma coisa que eu já reparei é que sempre tem promoção de passagem com as datas da Hillsong Conference em outubro (o que eu jamais compraria, muita antecedência pra mim, rs) e em fevereiro (o que é bem ok e foi quando eu comprei a minha), então vale a pena ficar de olho para aproveitar, amigos que estudam no Hillsong College e que vão e voltam com certa frequência falam que compensa esperar por promoções nesse período. Se você não tiver um limite super alto no cartão de crédito, sei que sites como decolar.com possibilitam a compra de passagens aéreas por transferência bancária, desde que o pagamento seja feito a vista. Eu não precisei fazer seguro viagem, porque o meu plano de saúde cobre alguns países, mas se o seu tiver cobertura somente nacional, às vezes vale a pena incluir já na compra da passagem. Eu precisei ir no médico em Sydney porque tive uma super crise de artrite e foi ok, mas sem plano eu acho que é muito caro e inviável, então esse é mais um destino que o seguro é indispensável :)

Sobre hospedagem, talvez eu não seja a pessoa ideal para indicar hosteis e opções, porque fui muito abençoada com amigos incríveis e amigos de amigos mais incríveis ainda, então dos 45 dias que estive em Sydney, apenas 6 estive em uma acomodação contratada, o restante me hospedei na casa de pessoas queridas que conheci por causa da igreja, aqui ou na Austrália. 

Eu fui para Sydney quase um mês antes da Hillsong Conference, para voluntariar na sede da igreja e conhecer mais sobre como o operacional funciona por lá, então eu fiquei bem pertinho da igreja, que ao contrário do que muitos pensam, não fica no centro de Sydney! Até tem uma Hillsong no centro, em Waterloo (lá também tem um campus do Hillsong College), mas não é a sede e na verdade é bem parecida com a Hillsong de São Paulo… A sede da igreja mesmo fica em Baulkham Hills, que é um subúrbio que fica há uns 35km do centro. É realmente o interior: patos atravessam a rua na sua frente, o vizinho talvez tenha um bezerro ou dois, morcegos terríveis vão voar ao seu redor no ponto de ônibus e no geral os postes não têm luz. Do campus Hills da Hillsong até o centro de Sydney dá umas 2h de ônibus, mas a grande novidade é que abriu uma estação de metrô bem em frente da igreja e agora é possível fazer o trajeto em 1h20, o que realmente possibilitou muitos dos passeios que eu fiz nessa viagem, sem que eu perdesse a experiência que estava empolgada para vivenciar no dia a dia da igreja. Mas enfim: não tem como se hospedar em Baulkham Hills para ir à Hillsong Conference, porque a programação da conferência começa cedo, mas se você está indo à Sydney para a Hillsong Conference, eu acho realmente fundamental que você se programe para ir um domingo assistir às reuniões na sede da igreja, é uma experiência realmente especial conhecer o lugar onde tudo começou – fora que as instalações são realmente um sonho.

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Para os dias da conferência, eu saí de Baulkham Hills e me hospedei em um airbnb que aluguei com amigos em uma região chamada Five Dock – essa foi a melhor decisão! A arena da conferência fica no Parque Olímpico de Sydney e essa é uma região realmente chata de acessar, então pegamos esse airbnb porque era a opção mais em conta dentre as aceitáveis (eu odeio airbnb né), mas tivemos bastante dificuldade de encontrar essa casa, porque deixamos para reservar com dois meses de antecedência… Não façam isso, reservem antes rs. No fim foi excelente porque a distância era próxima o suficiente para não demorar mais que 20m de uber e também para que a corrida não custasse mais que 20 dólares australianos, então valeu totalmente a pena. Para ver a casa que alugamos no airbnb clique aqui, porém alugue por sua própria conta e risco, a casa era muito boa e bonita, estava bem novinha e eu gostei muito da construção em si, mas os termos do aluguel eram um pouco confusos e as áreas comuns eram um pouco bagunçadas também. Não tenho certeza absoluta de que alugaríamos de novo, seria algo a ponderar 😀

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Depois que você já tem ticket, tradução, visto, passagem e hospedagem, você precisa de dinheiros! Geralmente eu falaria que você precisa definir seus meios de transporte, mas sinceramente não vale a pena alugar um carro na Austrália, além de ser caro, tudo tem pedágios, é muito tenso dirigir lá, não tem onde estacionar e os estacionamentos pagos são bem caros, então apenas aceite o seu destino de usar transporte público… Mas esse é um ótimo destino, eu achei muito fácil aprender a usar ônibus e metrôs por lá, além disso o Uber também funciona muito bem e tem um aplicativo chamado OLA CARS que é tipo Uber, só que mais barato, então vai dar tudo certo – compre um cartão Opal, coloque crédito e seja feliz! Em São Paulo eu infelizmente só uso Uber, quero muito mudar isso e começar a usar metrô também, mas eu tenho muita ansiedade e já tive algumas experiências traumáticas que me deixam meio bloqueada disso, mas na Austrália foi realmente muito prático e tranquilo – eu realmente gostava muito de andar de ônibus por lá, mesmo precisando fazer caminhos bem doidos por trilhas em reservas ecológicas pra chegar nos pontos de ônibus, rs. Mas isso de dia tá? De noite eu acabava pegando Uber mesmo, porque eu ficava com bastante medo do escuro, mas sei que era algo bobo, porque conheço muitas pessoas que fizeram graduações inteiras em Baulkham Hills e nunca tiveram nenhum problema de ficar andando a noite por lá. Se você não estiver sozinho ou não for tão medroso como eu, provavelmente não vai se incomodar… Mas novamente, essa era uma realidade Hills, não City. No centro você vai conseguir fazer tudo de transporte público pra sempre e vai ser perfeito!

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Trocar dinheiro sinceramente não é a tarefa mais importante do mundo pra essa viagem, porque Sydney é um lugar muito desenvolvido, todos os lugares aceitam cartão e até pagamento por aproximação, então ter papel moeda não é nada tão necessário assim, mas eu troquei porque consigo me organizar melhor financeiramente em viagens quando levo dinheiro trocado – se eu fico passando tudo no cartão eu não sinto muito que estou gastando dinheiro, fica muito fácil eu acabar exagerando. Uma coisa que eu gosto de fazer e que pode ser uma dica se você nunca viajou é levar tudo em dinheiro trocado, mas não andar com todo o dinheiro na carteira – eu calculo quanto posso gastar por dia e "me dou" esse dinheiro diariamente, daí o que sobrou de dias anteriores vai acumulando na carteira e assim eu vou descobrindo quanto realmente preciso gastar por dia, quanto posso gastar em coisas inúteis e comprinhas. Dessa forma meu cartão de crédito fica só para emergências ou para compras maiores que eu decido fazer, mas nada comprado por impulso. Nas últimas viagens que fiz, sempre pesquisei a troca do dinheiro na Câmbio Store – antes eu recomendava olhar o índice do Banco Central, mas sinceramente não estou mais fazendo isso porque perdeu a praticidade – daí agora olho esse site e encomendo por lá. Já fiz isso com dólar, rand, libra e dólar australiano nos últimos meses, sempre valeu a pena. 

Dinheiro é algo bem pessoal e não acho que cabe a mim estipular quanto vocês precisam levar por dia para essa viagem, porque depende também das expectativas de vocês e das coisas que priorizam. Eu achei Sydney um lugar muito fraco para compras, mas tenho um gosto bem específico e não trouxe nenhum souvenir, basicamente gastei meu dinheiro em cafés, restaurantes e supermercados – mas mesmo quando fiquei hospedada em uma casa, praticamente não cozinhei, porque ficava no escritório da igreja das 9h às 18h, então almoçava fora e jantava antes de voltar para casa. Se você cozinhar em casa ou conseguir preparar lanches para levar por aí, vai economizar muito, muito mesmo! Eu achei que os preços de comer fora em Sydney são bem parecidos com os de São Paulo, mas os horários são mais restritos, então se a sua viagem vai durar pouco e você quer comer coisas específicas, planeje bem os seus dias – se vocês quiserem eu posso fazer um post só com dicas dos lugares que mais gostei de comer por lá. Sobre o custo com transporte, dá pra saber quanto você vai pagar por cada trajeto que fizer usando o aplicativo do Opal, super vale a pena baixar, vai ser mais útil que o google maps e dá pra colocar crédito no cartão pelo app também, o que evita qualquer tipo de imprevisto.

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Outro gasto que você precisa considerar na Hillsong Conference é o que você vai comprar por lá, quer dizer, se você for o tipo de pessoa que compra coisas por lá – eu definitivamente sou esse tipo de pessoa, então sem julgamentos ahahahaha. Acho que como tive uma infância reclusa sem fazer parte de grupos, hoje em dia eu amo comprar merchandise da igreja e me sentir parte de um – não posso ver um caderninho, uma camisetinha, um moleton… Até pijama eu já comprei hahahaha então sempre considero esse gasto nas minhas contas. Dá pra ter uma boa noção de quanto os itens custam em média acessando o site da Hillsong Store, mas para as estimativas de vocês, considerem sempre o preço cheio, não as promoções, afinal os produtos são lançados nas conferências. A dica é tentar se organizar para fazer suas comprinhas no primeiro dia de conferência, porque vários itens esgotam! E nem só de lindas camisetinhas os stands de vendas são feitos, viu? Alguns dos livros mais legais que eu tenho, comprei na Hillsong Conference ou na Colour Conference, vale dar uma olhadinha mesmo se você não for do #teamcomprinhas. 

Acredito que essas sejam as coisas mais importantes a considerar na hora de organizar uma viagem à Hillsong Conference, mas enquanto muitas pessoas dizem que a melhor parte de uma viagem é esperar por ela, eu realmente acho que a melhor coisa de viajar é organizar a viagem! Eu amo ler sobre o destino, adoro me informar sobre cada detalhe e imaginar como os meus dias viajando serão na prática. Sinceramente eu acho que não tenho muitos passeios dessa viagem pra indicar, posso fazer um post também, com os passeios que eu mais gostei em Sydney, mas eu realmente não passeei muito, estava chovendo bastante na época que fui pra lá, estava fazendo muito frio, eu não gosto de atividades que envolvem trilhas, animais ou praias, então no fim das contas acho que fiz uma viagem bem atípica, onde eu aproveitei para colocar minha leitura da faculdade em dia e curti cada atividade que a igreja ofereceu no período que eu estava lá – se você quer ir pra Sydney justamente por causa da conferência, vale a pena seguir a igreja nas redes sociais para ver tudo o que vai rolar enquanto você estiver por lá, já que quase todo dia tem algo diferente, como Sisterhood, Team Night e outros encontros.

 
 
 

 

 

 

 

 
 
 
 
 

 

 

 
 

 

 

 
 
 

 

 

 

 

 
 

 

 

Uma publicação compartilhada por Heloísa Dela Rosa (@hdelarosa) em

 

 

Essa sem dúvidas foi uma viagem que mudou a minha vida, mas não exatamente do jeito que muitos ao meu redor esperavam que mudaria. Muitos acharam que eu ia voltar querendo me mudar pra Sydney, juntando dinheiro pra fazer o Hillsong College ou algo do tipo, mas sinceramente eu acho que o melhor dessa viagem foi resignificar as coisas que eu faço aqui e ter um entendimento mais amplo dos motivos que me levam a viver a vida que eu levo hoje – mas digamos que não foi da forma fácil, na verdade essa foi a viagem em que eu mais tive crises de ansiedade, por exemplo… E não foi porque eu estava vivendo várias coisas novas e empolgantes, como as pessoas geralmente romantizam, foi porque ser adulto às vezes é muito dificil e calhou de ser bem complicado justamente enquanto eu estava do outro lado do mundo. Então acima de qualquer dica de passagem aérea ou restaurante que eu possa dar, meu maior conselho é que você viaje de coração aberto, para realmente perceber tudo o que há de diferente e estimulante ao seu redor. Espero que seja uma ótima viagem e uma conferência maravilhosa para todos que estão se planejando, inesquecível eu tenho certeza que será! <3

Bônus – a mensagem que mais me impactou na Hillsong Conference 2019:

Como economizar em uma viagem pelo Japão? 💴

Seria cedo começar a sonhar com mais uma viagem para o Japão? No meu caso claramente, pois ainda nem paguei a próxima viagem que devo fazer antes de poder começar a planejar meu triunfante retorno à Ásia! Porém se você é uma pessoa com mais sorte, ou com sonhos e dinheiros um pouco mais concretos, vem na minha que economizar é minha verdadeira profissão, essa coisa de influencer vem em segundo plano, rs 😉

E você, já foi para o Japão e tem uma dica muito UAU para quem não quer empobrecer já na primeira semana por lá? Não foi ainda, mas já leu tanto que está quase enjoando da viagem que ainda não fez, então tem dicas mesmo assim?? Deixe nos comentários, juntos continuaremos pobres, mas seremos pobres que conhecem todos os continentes hahahaha 😛  Mil beijos e até mais tarde <3

Facebook – Twitter – Youtube 

♥  Seja meu amigo no instagram: helodelarosa 

5 dicas infalíveis para juntar dinheiro! 💸

Nós sabemos que dinheiro não é tudo e que felicidade está em coisas que teoricamente são simples, como amar as pessoas e valorizar momentos especiais pelo que eles são e não pelo que eles podem nos dar, mas convenhamos que viver sem precisar fazer contas pra dar uma esticada na nossa conta bancária deve ser simplesmente a melhor coisa do mundo, né? E para nós que nascemos em famílias normais que se preocupam constantemente com boletos, só existe uma forma de conseguir isso: casando com um idoso muito rico e simpático! Brincadeira, isso é muito difícil hahahah então a melhor forma é juntando dinheiro mesmo, rs. Quer saber como começar seu a engordar sua conta para que ela nunca mais volte ao vermelho e para que você faça várias coisas legais que sempre sonhou? Confira as dicas:

Parace uma utopia né mores? Mas eu juro que não é! 😀  Assumo que às vezes, nem pra mim é fácil, na verdade eu acho que pra mim é até mais difícil que para a média da população, porque a minha família é mais pobre que a maior parte das pessoas que você conhece e infelizmente, eu tenho sonhos mais caros do que a maior parte das pessoas também hahahaha mas se eu consigo fazer coisas legais, vocês também vão conseguir! Espero que tenham gostado das dicas e qualquer coisa que eu puder ajudar, deixem nos comentários. Mil beijos e até mais tarde <3

Facebook – Twitter – Youtube 

♥  Seja meu amigo no instagram: helodelarosa